Banco de dados

SQL e Banco de Dados para Iniciantes Passo a Passo

Já ouviu falar de SQL? Provavelmente você já ouviu um atendente de telemarketing falar no telefone “Um minuto senhor, vou consultar o banco de dados”. Ou talvez já tenha lido um notícia como “Hackers roubam dados de milhares de clientes da empresa X”.

Se você já ouviu algo do tipo, mas não sabe exatamente o significado de dados e banco de dados, você está no lugar certo!

Vou explicar de forma bem didática o que é um banco de dados.

Mesmo não sendo da área de tecnologia, você vai entender tudo e até conseguir explicar para os seus amigos depois.

Você também vai entender o que é a linguagem SQL e até escrever a sua primeira consulta SQL em um banco de dados de verdade.

Boa leitura!

Clique para Continuar lendo »
Programação para Iniciantes

Programe ou Seja Programado

Sabe para o que serve o Facebook de Verdade? Se não sabe para que serve o software que está usando, então você não está o usando, mas sendo usado por ele. Programe ou seja programado!

Qual sua opinião? Comente aqui no meu Facebook.

 

Clique para Continuar lendo »
Programação para Iniciantes

Precisa ser gênio para aprender a programar?

Precisa ser gênio para aprender a programar? Descubra como Bill Gates e Mark Zuckerberg responderam essa pergunta. Assista o Vídeo e comente lá no Facebook.

Clique para Continuar lendo »
Programação para Iniciantes

Como Aprender a Programar

Nesse vídeo você vai aprender o que é programação, quanto ganha um programar e quais são os passos necessários para aprender programação. Confira.

Clique para Continuar lendo »
Programação para Iniciantes

10 Dicas para Começar na Carreira de Programador

Quer se tornar um programador? Assista essa entrevista e confira 10 dicas para começar a carreira de programador. Clique e Assista.

Clique para Continuar lendo »
Carreira TI

5 Dicas para se Destacar e Ganhar um Ótimo Salário no Mercado de Tecnologia da Informação

Seu salário em TI não tá legal? Leia esse artigo e descubra 5 dicas para se destacar e ganhar um ótimo salário em TI.

Clique para Continuar lendo »
Empreendedorismo

Como larguei um ótimo emprego público para me dedicar ao empreendedorismo

picapau

No próximo dia 21 de dezembro, vai fazer exatamente 1 ano que chutei o balde de um emprego público e fui chamado de louco e de corajoso por muitas pessoas. Continue lendo, e entenda o drama.

Um ótimo Emprego

Trabalhei durante 7 anos na maior empresa pública de tecnologia de informação da América Latina.

Lá eu tinha um emprego estável, estacionamento gratuito, plano de saúde, plano odontológico, previdência privada, ticket refeição, vale alimentação, férias, férias-prêmio, 13o salário, 6 dias de abono social, sinuca, totó, quadra de futebol e também direito a fazer greve.

Ufa, benefício pra caralho!

De repente, um péssimo emprego

Depois dos primeiros anos de empolgação, quando já tinha comprado carro, casa, celular, TV, roupas, viagens, etc. O emprego começou a não me parecer tão ótimo assim.

De repente, ter que bater ponto começou a me incomodar. As reuniões feitas para marcar outras reuniões também começaram a me incomodar. Usar tecnologias e metodologias ultrapassadas era um absurdo na minha visão. Até a burocracia comum de toda grande empresa, começou a me deixar puto.

No início dessa insatisfação virei um reclamador nato, e confesso que durante um tempo, acreditava que eu poderia ajudar a melhorar a cultura da empresa, para que voltasse a ter um “ótimo emprego”.

Depois de dar muito murro na ponta de faca, trabalhar em várias equipes diferentes (eu era o programador nômade da empresa) percebi que não seria possível mudar a cultura de uma empresa com 11 mil funcionários e 50 anos de existência.

Eu estava em um beco sem saída. Não podia mudar a cultura da empresa, e na minha cabeça, seria loucura largar um emprego público com esse monte de benefícios.

Essa situação me trouxe muita angústia, que acabou virando algumas ziquiziras, como dermatites que nunca sumiam e um tremor danado nas pálpebras. Sem falar na vontade louca de ir embora que me dava, 5 minutos depois que eu sentava na cadeira do escritório.

Busca por uma solução

Comecei a fazer terapia pra tentar resolver as ziquiziras e mudar a minha cabeça para ter o meu ótimo emprego de volta. A técnica utilizada foi a psicanálise, que a grosso modo, é você ir falando sobre o seu passado e ir fazendo relações com o seu presente.

Foram vários meses de terapia, sempre tentando trazer uma solução, que não fosse largar o emprego. Cheguei até a ficar 2 meses viajando (Férias normais + férias prêmio) pra ficar longe do sofrimento.

Durante a terapia, descobri que o emprego público continuava ótimo do ponto de vista de benefícios, mas péssimo do ponto de vista de realização pessoal. Resumindo, foi ótimo até eu atingir o 4o nível da pirâmide de Maslow.

E porque esse emprego não me trazia realização pessoal? Porque tem um tal de espírito empreendedor, que nunca me deixou sossegado. Sempre fiz trabalhos como freelancer, desde a época que computador não era tão comum, e apareciam trabalhos para digitação de monografias. Os trabalhos de formatação e instalação do Windows 98 eram muito comuns também 🙂

Portanto, o problema não estava na empresa, nem comigo. A conclusão que cheguei, foi que eu simplesmente não tinha o perfil para trabalhar lá, e realmente teria que sair, e buscar a tal realização pessoal.

Se passaram 2 anos entre a decisão de sair, e o meu último dia no emprego, 21 de dezembro de 2012 (dia do fim do mundo). E o que eu estava fazendo durante esses 2 anos? Me preparando, para reduzir os riscos ao máximo possível.

Educação informal

Participei de vários cursos online, pois sabia que só saber programar, não era o bastante para empreender no mercado tão competitivo como hoje.

O primeiro curso que fiz, que me ajudou muito, foi esse aqui de finanças pessoais, que mudou completamente minha relação com o dinheiro. Aprendi que era possível viver bem, mesmo tendo a renda diminuída pela metade, depois que largasse o emprego.

O segundo curso, foi um de empreendedorismo digital. E lembrando agora, ele tem relação direta com a minha vida hoje, quase 1 ano depois de ter largado o emprego.

Foi dentro desse curso que eu tive a ideia de criar um curso de programação para iniciantes, já que era necessário ter um projeto, para aplicar as técnicas ensinadas.

Verdade, os pontos só se ligam olhando para trás

Nessa mesma época, eu tinha sido convidado para dar uma palestra no Beved, e o tema foi programação para iniciantes. Chegando lá no dia da palestra, eu conheci pessoalmente o Matt, fundador do Beved.

Ele me disse que estava apertado precisando de um programador, pois o sócio técnico dele tinha saído, para começar a trabalhar em uma empresa pública (Sim, acredite se quiser, a mesma empresa que eu estava me preparando para sair. Mundo pequeno!).

No início estávamos negociando só um freela. Mas conversa vai, conversa vem, (eu já tinha bastante interesse e experiência nessa área de educação) acabou rolando um convite para ser sócio do Beved. E o resto, é história 🙂

Depois de 1 ano ajudando o Beved a crescer, estamos indo agora para uma nova fase, pois dia 16 começaremos no programa de aceleração do SEED. Dezembro é um ótimo mês para mudanças mesmo 🙂

UPDATE (28/07/2016): Já não sou mais sócio do Beved. Saí de lá para criar a Playcode, que não é uma startup, e sim, um Lifestyle Business.

Conclusão

Não, não é normal estar sempre insatisfeito com o trabalho. Se está rolando insatisfação com você, com certeza tem uma causa, e tem uma solução também. Basta correr atrás e tomar ações concretas para resolver.

Você só consegue levar o seu potencial ao máximo, se acreditar de verdade no que está fazendo. Se não acreditar, o dinheiro vai até te trazer felicidade, mas por um período muito curto.

“Lembrar que você irá morrer um dia, é a melhor maneira que conheço para evitar o pensamento de que se tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir o seu coração.” Steve Jobs.

Clique para Continuar lendo »
Design e Usabilidade

Design de Interação, programadores e empreendedorismo

Design de Interação

Leia esse artigo para descobrir a relação entre Design de Interação, Programadores e Empreendedorismo. Clique e confira agora mesmo.

Clique para Continuar lendo »
Design e Usabilidade

Usabilidade é tão importante quanto saber usar um IF

Usabilidade

Leia esse artigo se você é um programador que por causa do prazos apertados, acaba não dando a devida atenção para a usabilidade dos software que cria.

Clique para Continuar lendo »
1 2